ES

ES

APRESENTAÇÃO

NO AR DESDE 01 DE JANEIRO DE 2014

Neste momento você também pode receber a Jesus Cristo como Salvador, simplesmente conversando com Ele… Em suas próprias palavras, diga de coração para Deus:

Deus, eu reconheço que tenho pecado contra Ti. Por favor, perdoa-me! Eu creio que Jesus Cristo morreu e ressuscitou para pagar o preço pelo meu pecado.
Jesus, entra em meu coração e purifica-me do meu pecado. Neste momento eu confio em Ti como meu único e suficiente Salvador.

Se você orou assim, e foi sincero, você hoje "nasceu de novo" na família de Deus, de acordo com 2 Coríntios 5.17: "E assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura: as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas."

Email

pastoraelianefcr@gmail.com

FALE COM A PASTORA QUI

terça-feira, 9 de abril de 2019

Oração da meia noite 09/04/19 Conscientização

0 comentários



NOSSO CANAL https://www.youtube.com/c/PraElianeLevandoJesus
NOSSO BLOGUE https://canalevangelistico.blogspot.com/
NOSSO FACEBOOK https://www.facebook.com/praelianedef...
INSTAGRAM https://www.instagram.com/elianedefat...
Espaço interdenominacional aberto para evangelizar, não igreja mas AO SALVADOR JESUS CRISTO
Pastora Eliane

Ta Faltando Lider

0 comentários

Lição 9 Demonologia

0 comentários

A ORIGEM DOS DEMÔNIOS

Quando criou o mundo, tudo "era muito bom" (Gn 1.31). Mas já em Gênesis 3, vemos que Satanás, na forma de uma serpente, tentava Eva ao pecado (Gn 3.1-5). Portanto, em algum momento entre os eventos de Gênesis 1.31 e Gênesis 3.1 deve ter havido uma rebelião no mundo angélico, na qual muitos anjos se voltaram contra Deus e se tornaram maus.
Os demônios
A) NATUREZA IMORAL
Os demônios são chamados de "espíritos imundos" (Mt 10.1), "espíritos malignos" (Lc 7.21), "espírito de demônio imundo" (Lc 4.33), "forças espirituais do mal" (Ef 6.12).
B) PODERES
a) Força - Às vezes, os demônios podem exibir força sobre-humana ao possuírem corpos humanos. O endemoninhado gadareno quebrava suas cadeias e grilhões (Mc 5.3) e os filhos de Ceva foram espancados por um homem possesso (At 19.16).
b) Inteligência - Não são oniscientes, mas têm grande inteligência, conhecimento e astúcia (Mc 1.24; Mt 8.29; 2Co 2.11).
c) Presença - Eles não são infinitos, mas limitados. Apesar de o seu grande número dar a impressão de que são onipresentes, isso não é verdade, pois cada um ocupa apenas um lugar de cada vez (Jó 1.7; 2.2; Mt 8.31-32).
C) EM RELAÇÃO A SATANÁS
Os demônios agem como emissários de Satanás para alcançar seus propósitos de atrapalhar os planos de Deus. Quando esses demônios atuam, o fazem de tal forma que temos a impressão de que Satanás em pessoa é que está agindo (Ef 6.11-12).
D) EM RELAÇÃO A DEUS
a) Opõem-se ao plano de Deus (Dn 10.10-14; Ap 16.13-16).
b) Podem ser usados para cumprir os propósitos de Deus (Jz 9.23; 1Sm 16.14; 1Rs 22.22; 2Co 12.7).
E) EM RELAÇÃO À RELIGIÃO
a) Promovem a idolatria - Isso aconteceu no tempo do AT (Lv 17.7; Dt 32.17; Sl 106.36-38), continua acontecendo (1Co 10.20) e acontecerá nos dias da Tribulação (Ap 9.20).
b) Promovem uma falsa religião - Fazem isso ensinando que o sacrifício do Salvador não valeu nada (1Jo 4.1-4) e que a salvação é obtida por obras (1Tm 4.3-4), além de ensinar uma ética libertina (Ap 2.20-24).
F) EM RELAÇÃO ÀS PESSOAS
a) Aflição - Podem causar doenças físicas (Mt 9.33; 12.22; 17.15-18) e distúrbios mentais (Mc 5.4-5; 9.22). Apesar disso, a Bíblia faz distinção entre doenças naturais e as causadas por demônios (Mt 4.24; Mc 1.32,34; Lc 7.21; 9.1).
b) Perversão - Os demônios desejam perverter as pessoas. Para isso, às vezes promovem um sistema doutrinário e um estilo de vida aparentemente benéficos para o ser humano (1Tm 4.1-3). Outras vezes, o mal e atividades impuras (Dt 32.17; Sl 106.37-39).
c) Possessão - É o controle direto de um ou vários demônios sobre uma pessoa quando se apossam dela. Várias consequências são relatadas, como mudez, cegueira e convulsões (Mt 9.32; 12.22; Lc 9.39), tentativas de autodestruição (Mc 5.5; Lc 9.42) e forças ocultas (At 16.16-18).
B. SATANÁS COMO CHEFE DOS DEMÔNIOS
"Satanás" é o nome do chefe dos demônios, significa "adversário", "inimigo". Em Jó 1.6, onde lemos: "... os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles" (ver também Jó 1.7-2.7). Aqui ele aparece como inimigo do Senhor, que impõe severas tentações a Jó. Do mesmo modo, perto do fim da vida de Davi, "Satanás se levantou contra Israel e incitou a Davi a levantar o censo de Israel" (1Cr 21.1). Além disso, Zacarias teve uma visão e contemplou "o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do Anjo do SENHOR, e Satanás [que] estava à mão direita dele, para se lhe opor" (Zc 3.1).
O Novo Testamento também usa o nome "Satanás", simplesmente tomando-o emprestado ao Antigo Testamento. Assim Jesus, sendo tentado no deserto, fala a Satanás diretamente, dizendo: "Retira-te, Satanás" (Mt 4.10) ou "Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago" (Lc 10.18).

A ATIVIDADE DE SATANÁS E DOS DEMÔNIOS

1. Satanás originou o pecado.
Satanás pecou antes que qualquer ser humano o fizesse, como se depreende do fato de ele (na forma de uma serpente) ter tentado Eva (Gn 3.1-6; 2Co 11.3). O Novo Testamento também nos informa que Satanás "foi homicida desde o princípio" e é "mentiroso e pai da mentira" (Jo 8.44). Também diz que "o Diabo vive pecando desde o princípio" (1Jo 3.8). Nos dois textos, a expressão "desde o princípio" não implica que Satanás é mau desde o início da criação do mundo ("desde o princípio do mundo") nem desde o início da sua existência ("desde o princípio da sua vida"), mas sim desde a fase "inicial" da história do mundo (Gênesis 3 e mesmo antes). O Diabo se caracteriza por ter dado origem ao pecado e por tentar os outros ao pecado.
2. Os demônios se opõem a toda obra de Deus, tentando destruí-la.
Assim como Satanás levou Eva a pecar contra Deus (Gn 3.1-6), também tentou fazer Jesus pecar e assim falhar na sua missão de Messias (Mt 4.1-11). As táticas de Satanás e dos seus demônios são a mentira (Jo 8.44), o engano (Ap 12.9), o homicídio (Sl 106.37; Jo 8.44) e todo e qualquer tipo de ação destrutiva no intuito de fazer as pessoas se afastarem de Deus, rumo à destruição. Os demônios lançam mão de qualquer artifício para cegar as pessoas ao evangelho (2Co 4.4) e mantê-las presas a coisas que as impedem de aproximar-se de Deus (Gl 4.8). Também procuram usar a tentação, a dúvida, a culpa, o medo, a confusão, a doença, a inveja, o orgulho, a calúnia, ou qualquer outro meio para obstruir o testemunho e a utilidade do cristão.
3. Contudo, os demônios estão limitados pelo controle de Deus e têm poder restrito.
A história de Jó deixa claro que Satanás podia fazer só o que Deus lhe permitia, e nada mais (Jó 1.12; 2.6). Os demônios são mantidos em "algemas eternas" (Jd 6), e os cristãos podem muito bem resistir-lhes por intermédio da autoridade que Cristo nos legou (Tg 4.7).
4. Verificam-se diferentes estágios de atividade demoníaca na história da redenção.
a. No Antigo Testamento. Como no Antigo Testamento a palavra demônio não é usada com frequência, de início podemos ter a impressão de que há pouca indicação de atividade demoníaca. Todavia, o povo de Israel frequentemente pecava servindo a falsos deuses, e quando nos damos conta de que esses falsos "deuses" eram na verdade forças demoníacas, compreendemos que muitas passagens do Antigo Testamento de fato se referem a demônios.
b. No ministério de Jesus. Após centenas de anos de incapacidade de alcançar um triunfo real sobre as forças demoníacas, é compreensível que quando Jesus surgiu expulsando demônios com absoluta autoridade, as pessoas tenham ficado assombradas: "Todos se admiravam, a ponto de perguntarem entre si: Que vem a ser isto? Uma nova doutrina! Com autoridade ele ordena aos espíritos imundos, e eles lhe obedecem!" (Mc 1.27). Jamais se vira na história do mundo tamanho poder sobre as forças demoníacas.
c. Na era da nova aliança. Essa autoridade sobre as forças demoníacas não se limitava apenas a Jesus, pois ele concedeu autoridade semelhante primeiro aos Doze (Mt 10.8; Mc 3.15) e em seguida aos setenta discípulos. Depois de um período de ministério, "regressaram os setenta, possuídos de alegria, dizendo: Senhor, os próprios demônios se nos submetem pelo teu nome!" (Lc 10.17). Jesus respondeu: "Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago" (Lc 10.18), indicando novamente um grande triunfo sobre o poder de Satanás (isso, repetimos, provavelmente ocorreu no momento da vitória de Jesus sobre a tentação no deserto, mas as Escrituras não indicam explicitamente quando isso aconteceu).
d. No milênio. Durante o milênio, o futuro reinado de mil anos de Cristo na terra, mencionado em Apocalipse 20, a atividade de Satanás e dos demônios ficará ainda mais restrita. Usando linguagem que sugere uma restrição muito maior da atividade satânica do que a que presenciamos hoje, João descreve assim a visão que teve do início do milênio em Apocalipse 20:1-3:
e. No juízo final. Ao final do milênio, Satanás é solto e reúne as nações para a batalha, mas é definitivamente derrotado e "lançado para dentro do lago de fogo e enxofre" e atormentado "de dia e de noite, pelos séculos dos séculos" (Ap 20.10). Então o juízo de Satanás e seus demônios estará completo.

NOSSA RELAÇÃO COM OS DEMÔNIOS

1. Estariam os demônios ainda hoje ativos no mundo?
Algumas pessoas, influenciadas por uma cosmovisão naturalista, que só admite a realidade que se pode ver, tocar ou ouvir, negam que existem hoje demônios, argumentando que a crença nessa realidade reflete uma visão de mundo obsoleta ensinada na Bíblia e em outras culturas antigas. Por exemplo, o alemão Rudolf Bultmann, estudioso do Novo Testamento, negava enfaticamente a existência de um mundo sobrenatural de anjos e demônios. Ele argumentava que essas coisas não passavam de "mitos" e que era necessário "demitizar" a mensagem do Novo Testamento, eliminando esses elementos mitológicos para que o evangelho pudesse ser recebido por pessoas modernas, doutrinadas pela ciência. Outros propuseram que o equivalente contemporâneo da (inaceitável) atividade demoníaca mencionada nas Escrituras é a influência poderosa e às vezes maligna de organizações e "estruturas" da sociedade atual ? governos malignos e poderosas corporações maléficas que controlam milhares de pessoas são por vezes ditos "demoníacos", especialmente nos escritos de teólogos mais liberais.
2. O mal e o pecado vêm, em parte (mas não totalmente), de Satanás e dos demônios.
Quando refletimos sobre a ênfase global das epístolas do Novo Testamento, percebemos que se dá bem pouco espaço à discussão da atividade demoníaca na vida dos crentes, ou aos métodos de resistir e fazer frente a essa atividade. A ênfase está em exortar os crentes a não pecar, levando uma vida de justiça. Por exemplo, em 1Coríntios, diante do problema das "divisões", Paulo não diz à igreja que repreenda o espírito da divisão, mas os aconselha simplesmente a falar "a mesma coisa" e a mostrar-se "unidos, na mesma disposição mental e no mesmo parecer" (1Co 1.10).
3. Será que um cristão pode ser possuído por demônios?
Possessão demoníaca é uma expressão infeliz que se insinuou em algumas traduções da Bíblia, mas que na verdade não espelha bem o texto grego. O Novo Testamento grego fala de gente que "tem demônio" (Mt 11.18; Lc 7.33; 8.27; Jo 7.20; 8.48, 49, 52; 10.20), ou de gente que sofre de influência demoníaca (gr. daimonizomai), mas jamais usa linguagem que sugira realmente que um demônio "possui" alguém.
4. Como reconhecer influências demoníacas?
Em casos graves de influência demoníaca, como os relatados nos evangelhos, a pessoa afetada exibe atitudes bizarras e muitas vezes violentas, especialmente diante da pregação do evangelho. Quando Jesus entrou na sinagoga em Cafarnaum, "não tardou que aparecesse na sinagoga um homem possesso de espírito imundo, o qual bradou: Que temos nós contigo, Jesus Nazareno? Vieste para perder-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus!" (Mc 1.23-24). O homem (ou, mais precisamente, o demônio que estava dentro do homem) pôs-se de pé e interrompeu o culto, berrando essas coisas.
5. Jesus dá a todos os crentes a autoridade de repreender demônios e de ordenar que saiam.
Quando Jesus enviou os doze discípulos à frente dele para pregar o reino de Deus, "deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios" (Lc 9.1). Depois de pregar o reino de Deus em cidades e vilarejos, os setenta voltaram exultantes, dizendo: "Senhor, os próprios demônios se nos submetem pelo teu nome!" (Lc 10.17). Jesus então lhes falou: "Eis aí vos dei autoridade [...] sobre todo o poder do inimigo" (Lc 10.19). Quando Filipe, o evangelista, desceu até Samaria para pregar o evangelho de Cristo, "espíritos imundos saíram de muitos que os tinham" (At 8.7, tradução do autor), e Paulo usou a sua autoridade espiritual sobre os demônios para dizer a um espírito de adivinhação que entrara numa moça: "Em nome de Jesus Cristo, eu te mando: retira-te dela" (At 16.18).
6. O uso correto da autoridade espiritual do cristão no ministério junto a outras pessoas.
Deixando a discussão da batalha espiritual particular, na nossa vida como na vida dos familiares mais próximos, passamos à questão do ministério pessoal direto junto a outras pessoas que sejam vítimas de ataques espirituais. Por exemplo, podemos aconselhar outra pessoa, ou talvez orar por ela, quando desconfiamos que a atividade demoníaca é um dos fatores que provocaram o seu problema. Nesses casos, é bom ter em mente algumas outras considerações.
7. Devemos crer que o evangelho vá triunfar poderosamente das obras do Diabo.
Quando Jesus surgiu pregando o evangelho na Galiléia, "também de muitos saíam demônios" (Lc 4.41). Quando Filipe foi a Samaria pregar o evangelho, "os espíritos imundos de muitos [...] saíam gritando em alta voz" (At 8.7). Jesus incumbiu Paulo de pregar entre os gentios para convertê-los "das trevas para a luz e da potestade de Satanás para Deus, a fim de que recebam eles remissão de pecados e herança entre os que são santificados pela fé em mim" (At 26.18).
Sua obra de proclamação do evangelho, disse Paulo, não consistiu "em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria humana, e sim no poder de Deus" (1Co 2.4-5; cf. 2Co 10.3-4). Se realmente cremos no testemunho bíblico da existência e da atividade dos demônios e se acreditamos que "para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do Diabo" (1Jo 3.8), então é de esperar que mesmo hoje, quando se proclama o evangelho aos incrédulos e quando se ora pelos crentes que talvez se achem ainda despercebidos dessa dimensão de conflito espiritual, haja um triunfo verdadeiro e muitas vezes imediatamente reconhecível sobre o poder do inimigo.
Devemos esperar que isso aconteça, considerá-lo parte normal da obra de Cristo na edificação do seu reino e nos alegrar com a vitória que ele nisso alcança.

Pastora Eliane (Jó)

REGISTRE SUA VISITA AQUI

Minha lista de blogs