Pastora Eliane (Jó)

sábado, 6 de abril de 2019

Oração da meia noite dia 06/04/19 Conscientização



NOSSO CANAL https://www.youtube.com/c/PraElianeLevandoJesus
NOSSO BLOGUE https://canalevangelistico.blogspot.com/
NOSSO FACEBOOK https://www.facebook.com/praelianedef...
INSTAGRAM https://www.instagram.com/elianedefat...
Espaço interdenominacional aberto para evangelizar, não igreja mas AO SALVADOR JESUS CRISTO
Pastora Eliane



Link para essa postagem


Lição 6 Bibliologia parte 1

Autoridade
A Bíblia é chamada de Livro (Is.34:16); Palavra (Mc.7:13; Hb.4:12); Luz (Sl 119), Escritura (Mt.21:42), Sagrada(Rm.1:2); Oráculo (Rm.3:2), entre outros títulos.
O nome Bíblia varia do termo grego biblios e poderia significar "Biblioteca", já que é uma coleção de 66 livros. A divisão em capítulos foi feita apenas no ano 1250 por Hugo Saint Cher. A divisão em versículos se consolidou em 1445 pelo Rabi Nathan e o NT em 1551, pelo pastor Robert Stevens.
Para os católicos existe uma diferença na numeração de alguns capítulos. Mas a maior diferença é o fato que a Bíblia "protestante" não aceita como inspirados os livros de Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Baruque, 1 e 2 Macabeus. Os capítulos 10 a 16 de Ester e os capítulos 3,13 e 14 do livro de Daniel também não estão presentes, pois acredita-se que não foram inspiradas por Deus, tendo sido acrescentadas posteriormente.
Quando as primeiras traduções para a língua do povo foram publicadas, durante a Reforma Protestante, rompeu-se a tradição que havia de se ler uma versão da Bíblia traduzida para o latim (chamada "Vulgata"), a qual somente os padres e bispos tinham acesso.
Desde então vem sendo estudada e entendida por todos os interessados. Isso enfraqueceu a predominância da chamada "tradição oral" e os comentários doutrinários que eram repassados em pé de igualdade com o texto escrito.
Existe um original?
O Antigo Testamento foi escrito em hebraico com alguns poucos textos foram escritos em aramaico. O Novo Testamento foi escrito originalmente em grego chamado koinê, a língua popular da época.
É fundamental entender que os originais da Bíblia são a base para a elaboração de uma tradução confiável das Escrituras. Sabe-se que não existe nenhuma versão original de manuscrito da Bíblia. Os chamados autógrafos, isto é, os livros originais, como foram escritos pelos seus autores, se perderam. O que temos disponível são centenas de cópias de cópias de cópias.
As cópias mais antigas foram encontradas graças às descobertas arqueológicas. Os manuscritos mais antigos conhecidos são de 850 d.C. Durante muito tempo esse argumento foi usado para se questionar a autoridade da Bíblia.
Em 1947, um pastor beduíno que buscava uma cabra perdida de seu rebanho, encontrou nas montanhas de Qumram, Israel centenas de potes de barro com cópias de textos, os chamados Manuscritos do Mar Morto. Bem conservadas, serviram para provar que as alegadas alterações nos textos foram mínimas se comparadas ao que já se conhecia.
Testemunho da própria Bíblia
No Antigo Testamento, ocorre centenas de vezes o termo "assim diz o Senhor". Isso deixava claro para os judeus que aquelas eram palavras vindas do próprio Deus.
Jesus reforçou que ela é "inspirada por Deus" e que o Espírito Santo ensinar as pessoas sobre ela (Lc. 24:45; 2 Tm.3:16; Jo.15:26).
Paulo diz que o Senhor nos dará entendimento de tudo (2 Tm.2:7). O próprio Deus é quem coloca sua lei em nossos corações (Hb. 8:10). Deus dará entendimento para conhecermos a verdade (1 Jo.5:20) e dá sabedoria a quem lhe pedir (Tg. 1:5).
Para o estudo da Teologia sistemática bíblica, presume-se que a forma final das Escrituras são autoridade. Embora vários tentem explicar o que "Jesus queria dizer" ou o que "Paulo realmente pensava", isso são especulações que muitas vezes pretendem minar os ensinamentos claros das Escrituras.
A Inerrância da Bíblia
A doutrina da inerrância significa acreditar que a Bíblia não tem erros. Esse conceito é constantemente atacado. O combate a ele tem dividido até denominações evangélicas. Uma vez estabelecida sua autoridade é igualmente importante entender o que significa sua inerrância.
A IMPORTÂNCIA DA INERRÂNCIA
1) Inerrância declarada: Não é possível crer na Bíblia sem crer na inerrância total. Crer que ela pode ter erros é torná-la totalmente indigna de confiança, já que não é possível estabelecer até aonde os erros chegariam.
Matérias como Cristologia e Soteriologia perderiam a credibilidade por falta de certeza d e que a Bíblia as expõe corretamente. Não importa que tamanho sejam os "erros" da Bíblia. O menor deles faz com que as doutrinas bíblicas entrem em colapso.
Algumas consequências disso seriam:
  • Visão liberal da seriedade do adultério;
  • Visão liberal da seriedade do homossexualismo;
  • Visão liberal do divórcio e do novo casamento;
Reinterpretação "cultural" de alguns ensinos da Bíblia (ex.: submissão da mulher, obediência civil e sexo antes do casamento);
Tendência a encarar a Bíblia pela óptica da psicologia moderna.
Inerrância diluída - Para muitos, brigar pela inerrância da Bíblia é fazer uma tempestade em um copo de água. Esses dizem que a Bíblia não fala claramente sobre sua inerrância. Contudo, para fazerem tal afirmação, eles teriam de mostrar que ela também não ensina isso de modo claro.
O fato de a Bíblia não falar sobre a inerrância usando esse termo, não quer dizer que essa verdade não seja exposta pela Bíblia. É como a doutrina da Trindade, a qual não é apoiada por um texto sequer que contenha a palavra "Trindade" e, nem por isso, é menos verdadeira e bíblica. Do mesmo modo, Jesus nunca disse: "eu sou Deus", contudo a evidência bíblica atesta sua divindade.
Esse tipo de exigência de só se crer se houver um versículo que, com todas as letras, exponha e encerre a questão, não é o meio correto de interpretação das Escrituras. Usando esse critério, seria válido dizer que o time vencedor de um torneio não é campeão porque perdeu uma partida no decorrer do campeonato para a equipe que ficou em último lugar.
Outro ataque contra a inerrância é dizer que ela é uma doutrina nova e que a igreja nunca se preocupou com isso no passado. A inerrância, na verdade, foi defendida por pessoas como Jesus (Jo 10.35) e Paulo (2Tm 3.16). Sem falar de homens de Deus que a defenderam de modo veemente:
- Agostinho (354-430) afirmou: - As consequências mais
desastrosas devem seguir-se à crença de que existe algo falso no livro sagrado. Isso equivale a dizer que os homens por meio dos quais as Escrituras chegaram até nós, encarregados de colocá-las por escrito, registraram algo falso nesses livros. Se nesse sagrado santuário de autoridade se admitir a possibilidade de haver uma só declaração falsa, não restará uma única sentença desses livros que, parecendo a alguém difícil de praticar ou de nela crer, não possa ser explicada pela mesma regra fatal como uma afirmação na qual o autor, intencionalmente, declarou o que não era verdade? (Epístola).
- Tomás de Aquino (1224-1274): "Nenhuma falsidade podefundamentar o sentido literal das Escrituras"(Suma Teológica).
- Lutero: "As Escrituras jamais erraram".
John Wesley: "Se existe qualquer erro na Bíblia, bem poderiamexistir mil deles. Se existe uma só falsidade naquele Livro, não proveio do Deus da verdade".
O SIGNIFICADO DA INERRÂNCIA
A inerrância significa que tudo que a Bíblia ensina e apresenta é verdadeiro, podendo incluir aproximações, citações livres, linguagem figurada e narrativas diferentes do mesmo evento desde que não se contradigam.
É claro que essa forma complexa de se transmitir a verdade cria diversas "aparentes" dificuldades, sem contudo, apresentar erros.
Alguns exemplos:
a) 1Co 10.8 diz que 23 mil morreram em um só dia e Nm 25.9 afirma que foram 24 mil, sem incluir a restrição "em um só dia";
b) Linguagem figurada como "nascer" e "pôr do Sol". Apesar de não condizer com o que a ciência já descobriu, são expressões corretas da observação humana e linguagem corriqueira ainda hoje;
c) Mc 10.46-52 e Lc 18.35-43 contam que Jesus curou um cego em Jericó, enquanto Mt 20.29-34 diz que eram dois cegos. Na verdade havia dois cegos, mas Marcos e Lucas contaram a história de um deles, Bartimeu.
O entendimento do tipo de linguagem usada e o propósito do autor devem ser levados em conta.
A INERRÂNCIA NOS ENSINOS DE CRISTO
1) As evidências de "Mt 4.1-11"
a) Jesus disse, referindo-se às Escrituras, que o homem deveria viver de "toda palavra" que sai da boca de Deus (v.4 cf. Dt 8.3);
b) Quando Satanás citou o Sl 91.11-12, ele omitiu uma parte do v.11 que muda completamente o sentido do texto, mostrando que a ideia não era a de que Deus protege de riscos desnecessários e descabidos. Jesus respondeu que fazer uso do texto desse modo era tentar a Deus, já que o homem deve viver de "toda palavra" que procede de Deus; e c) A resposta de Jesus a Satanás foi: "Está escrito" (vv.4,7,10).
2) As evidências do "Antigo Testamento" usadas por Cristo
a) Jesus reconheceu que Adão e Eva eram pessoas reais, criadas por Deus, e agiram de maneiras específicas (Mt 19.3-5; Mc 10.6-8);
b) Creu serem verdadeiros os eventos envolvendo os dias de Noé (Mt 24.38-39; e Lc 17.26-27);
c) Confirmou a destruição das cidades de Sodoma e Gomorra e a historicidade de Ló e da sua esposa (Mt 10.15; Lc 17.28-29); e
d) Aceitou como verdadeira a história de Jonas e o peixe (Mt 12.40) e a historicidade de Isaías (Mt 12.17), Elias (Mt 17.11-12), Daniel (Mt 24.15), Abel (Mt 23.35), Zacarias (Mt 23.35), Abiatar (Mc 2.26), Davi (Mt 22.45), Moisés e seus escritos (Mt 8.4; Jo 5.46), Abraão, Isaque e Jacó (Mt 8.11; Jo 8.39).
3) A evidência de "Mt 5.17-18" - O termo "a Lei e os profetas"envolvia todo o Antigo Testamento. Jesus disse que ele jamais passaria, sem que se cumprisse nem mesmo um "i" ou um "til" (ARA) ou a "menor letra" ou "traço" (NVI). Ao dizer isso, Jesus se referiu ao yod, a menor letra do alfabeto hebraico. Também se referiu ao que é chamado de "til" ou "traço", que é um pequeno sinal gráfico que diferencia letras hebraicas muito parecidas como o beit e o kaf ou o dalet e o resh. Isso demonstra a confiança que Jesus tinha em cada palavra das Escrituras.
Revelação
Além da revelação geral de Deus, existe a chamada revelação especial que não é necessariamente dada a todas as pessoas.
Ao longo da história, Deus se revelou aos homens de diversas formas. A maior parte dessas maneiras cessou depois do fechamento do cânon. Mesmo assim podem ser estudadas para se entender os meios que Deus usou para revelar ao homem a sua divindade e a sua vontade.
MANEIRAS DA REVELAÇÃO ESPECIAL
A) SORTES - Embora não usemos mais o sistema de ?lançar sortes?, em determinadas ocasiões isso serviu para revelar a vontade de Deus ao homem (Pv 16.33; At 1.21-26).
B) O URIM E O TUMIM - O peitoral usado pelo sumo sacerdote era como um grande bolso adornado com 12 pedras preciosas. Dentro havia 2 pedras, o Urim e o Tumim, que eram retiradas, como as sortes, a fim de determinar a vontade de Deus (Ex 28.30; Nm 27.21; Dt 33.8; 1Sm 28.6; Ed 2.63).
C) SONHOS - O sonho, mesmo sendo uma experiência comum, muitas vezes foi usado por Deus para se comunicar com homens no período do AT, o que ocorrerá novamente por ocasião da segunda vinda de Cristo (Gn 20.3,6; 31.11-13, 24,40-41; Jl 2.28).
D) VISÕES - Muitos homens de Deus tiveram visões como revelação de Deus. Através delas eles principalmente "ouviram" as palavras do Senhor (Is 1.1; 6.1; Ez 1.3).
E) TEOFANIAS - Antes da encarnação de Jesus, as teofanias estavam associadas com a aparição do "Anjo do Senhor", que comunicou a mensagem divinas às pessoas (Gn 16.7-14; Ex 3.2; 2Sm 24.16; Zc 1.12).
F) ANJOS - Deus, muitas vezes, usou seus anjos para entregar mensagens divinas aos homens (Dn 9.20-21; Lc 2.10-11; Ap 1.1).
G) OS PROFETAS - Os profetas do AT trouxeram a mensagem de Deus para a humanidade (2Sm 23.2; Zc 1.1), assim como fizeram os do NT (Ef 3.5). Eles falavam diretamente da parte de Deus, diferente dos mestres de hoje em dia, que ensinam com base no que foi previamente revelado pelas Escrituras.
H) EVENTOS - A atuação de Deus na história também o revela. A libertação de Israel revelou os atos de justiça do Senhor (Mq 6.5). Os atos de juízo revelam quem Deus é (Ez 25.7), assim como a encarnação de Cristo (Jo 1.14; Hb 1.3). Deve-se ressaltar que esse tipo de revelação se dá por meio de fatos históricos reais, sem que tenhamos de procurar um sentido espiritual escondido por detrás do texto. Quando a Bíblia fala de guerras e povos do passado, refere-se a guerras e povos do passado e não a outras entidades representadas por metáforas. Além disso, a própria Palavra de Deus revela a atuação de Deus em diversos fatos históricos.
I) JESUS CRISTO - Indiscutivelmente, a encarnação de Jesus Cristo foi um dos principais meios dessa revelação especial. Ele revelou o Pai (Jo 1.14; Hb 1.2-3), mostrou a natureza de Deus (Jo 14.9), o poder de Deus (Jo 3.2), a sabedoria de Deus (Jo 7.46), a glória de Deus (Jo 1.14), a vida de Deus (1Jo 1.1-3) e o amor de Deus (Rm 5.8). Nosso Senhor fez tudo isso tanto por intermédio de seus atos (Jo 2.11) como por meio de suas palavras (Mt 16.17).
J) A BÍBLIA - A Bíblia é o meio mais abrangente da revelação, pois engloba o registro de muitos aspectos dessa revelação. É claro que nem tudo que Deus revelou a homens e que Jesus fez está registrado na Bíblia (Jo 21.25). Por outro lado, a Bíblia não contém apenas relatos de visões e os feitos de Jesus. Há também diversas verdades adicionais reveladas por meio dos escritores bíblicos. Assim, a Bíblia é, ao mesmo tempo, registro de aspectos da revelação de Deus e a própria revelação.
Três aspectos importantes da revelação na Bíblia. Ela é:
  • Verdadeira (Jo 17.17);
  • Progressiva (Hb 1.1);
  • Possui um propósito (Jo 20.31; 2Tm 3.15-17).



Link para essa postagem



Brasil acima de tudo, Deus acima de todos
E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32
Seja Um Colaborador de Nosso Trabalho